Crédito Rural da safra 2022/2023 atinge marca histórica de R$ 344 bilhões

 Plano Safra impulsiona o financiamento agropecuário e beneficia pequenos e médios produtores em todo o país

Um céu azul com nuvens e uma plantação de milho

No período compreendido entre julho de 2022 e junho de 2023, o crédito rural do Plano Safra 2022/2023 alcançou um valor expressivo de R$ 344 bilhões. Esse montante foi destinado a diversas finalidades, com destaque para o financiamento de custeio, que recebeu R$ 204,7 bilhões. As linhas de investimentos totalizaram R$ 90,5 bilhões, enquanto as operações de comercialização e industrialização atingiram R$ 33,5 bilhões e R$ 15,2 bilhões, respectivamente.

Segundo a análise realizada pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), foram firmados 1.903.436 contratos ao longo do período de um ano agrícola, sendo 1.376.891 no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e 204.935 no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp).



Veja mais (a reportagem continua): Dicas Agrícolas: Maximizando a Produtividade e Colhendo Sucesso



Os pequenos e médios produtores rurais obtiveram um total de R$ 52,2 bilhões em contratos no Pronaf e R$ 48,7 bilhões no Pronamp, abrangendo todas as finalidades do crédito rural. Já os demais produtores formalizaram 321.610 contratos, totalizando R$ 243 bilhões em financiamentos nas instituições financeiras.

Destacando-se no cenário do financiamento agropecuário, o Programa para Financiamento a Sistemas de Produção Agropecuária Sustentáveis (RenovAgro), anteriormente conhecido como Programa ABC+, desembolsou cerca de R$ 3,75 bilhões. Além disso, o Programa de Modernização da Agricultura e Conservação dos Recursos Naturais (Moderagro) registrou contratações no valor de R$ 1,8 bilhão, enquanto o Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) somou R$ 2,8 bilhões em investimentos.

Quanto às fontes de recursos do crédito rural, os recursos obrigatórios representaram R$ 70,7 bilhões das contratações, seguidos pelos recursos da poupança rural controlada, que totalizaram R$ 63,5 bilhões. Juntas, essas duas fontes correspondem a aproximadamente 40% do total do crédito rural. Os recursos não controlados alcançaram R$ 150,4 bilhões, com destaque para os recursos provenientes da Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), que totalizaram R$ 86,8 bilhões, equivalendo a 25% de todos os financiamentos.

A região Sul do Brasil se destacou como a principal beneficiária dos financiamentos do Plano Safra, recebendo um total de R$ 112 bilhões. O estado do Rio Grande do Sul liderou as contratações na região, representando 45% do total, seguido pelo Paraná, com 40%. Em segundo lugar, o Centro-Oeste obteve um desempenho significativo, com quase R$ 95 bilhões em financiamentos, sendo que Mato Grosso e Goiás responderam por 77% das contratações da região.

No primeiro semestre de 2023, foram liberados R$ 131 bilhões de crédito rural para todas as finalidades, incluindo custeio, investimento, comercialização e industrialização. Nesse período, o custeio somou R$ 76,4 bilhões, os financiamentos em investimentos alcançaram R$ 30,2 bilhões, enquanto a comercialização atingiu R$ 19,6 bilhões e a industrialização, R$ 4,8 bilhões.

Quanto aos programas específicos, o Pronaf recebeu R$ 16,9 bilhões em liberações, o Pronamp obteve R$ 14,6 bilhões, e os demais agricultores foram contemplados com R$ 99,5 bilhões.

É importante ressaltar que os valores apresentados são provisórios e foram extraídos do Sistema de Operações do Crédito Rural e do Proagro (Sicor/BCB) no dia 5 deste mês. Dependendo da data de consulta, podem ser observadas variações nos dados disponibilizados nos próximos trinta dias.

Com a expressiva aplicação do crédito rural do Plano Safra 2022/2023, o setor agropecuário brasileiro demonstra sua importância para a economia do país, impulsionando o desenvolvimento do agronegócio e beneficiando pequenos e médios produtores em todas as regiões do Brasil.


Fonte: gov.br

Postar um comentário

0 Comentários