Ministro Fávaro participa de lançamento de projeto para impulsionar exportações de farelo de milho

Foto mostrando o evento
Foto: Carlos Silva/Mapa - Tirada de gov.br

O Ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, marcou presença hoje no lançamento do Projeto Setorial de Promoção das Exportações de Farelo de Milho 2023-2025. O evento, realizado em Sorriso, é fruto de uma parceria entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e a União Nacional do Etanol de Milho (Unem).

Com duração de dois anos, essa parceria tem como objetivo principal promover o etanol de farelo de milho como uma alternativa energética viável, além de agregar valor às exportações do agronegócio e aumentar a oferta do produto para a produção de proteína animal.

Durante o lançamento, o Ministro Fávaro destacou que o Brasil já produz energia renovável e possui um enorme potencial para expandir ainda mais essa área, aproveitando todo o ciclo de produção. Ele ressaltou a importância de iniciativas como essa parceria entre a Apex e a Unem para abrir novas oportunidades e ampliar os mercados internacionais.

"Reconstruir é gerar oportunidades. É para isso que estamos aqui hoje. Para fortalecermos juntos produtores, Apex, associações, sindicatos, federações, o Mapa e o governo do presidente Lula, abrindo mercados nesta união para reconstruirmos o Brasil", afirmou Fávaro. Ele enfatizou que "a agropecuária brasileira, que já é gigante, tem potencial para continuar crescendo e se desenvolvendo para além das fronteiras brasileiras".

Jorge Viana, presidente da Agência, ressaltou o momento extraordinário vivido pelo país com o retorno da diplomacia presidencial trazida pelo presidente Lula. Ele destacou o compromisso da ApexBrasil em valorizar os produtos brasileiros e investir em inovação.

"O Ministro Fávaro e nós da Apex estamos trabalhando nesse vácuo, materializando isso. Quando a gente vem aqui em Sorriso, faz esse convênio para que essa cadeia produtiva extraordinária, que é a do etanol e do milho, possa ser competitiva mundo afora, é fundamental", disse Viana.



Veja mais (a reportagem continua): Dicas Agrícolas: Como se proteger de inços?



Guilherme Nolasco, presidente-executivo da UNEM, enfatizou a importância dessa parceria para um setor novo que busca promover o comércio internacional, gerar valor para toda a cadeia de negócios e contribuir para a renda e arrecadação de impostos.

A parceria entre a Apex e a Unem tem como objetivo promover a oferta do farelo de milho (DDG/DDGS) no mercado internacional. Estima-se que até 2031/2032, a produção de etanol de milho no Brasil chegará a 10,88 bilhões de litros, o que resultará em uma oferta de aproximadamente 6,5 milhões de toneladas de DDG/DDGS para o mercado. Esse insumo é utilizado como fonte proteica e energética nas formulações de ração animal. Os mercados-alvo selecionados para esse projeto pioneiro são: China, Espanha, Indonésia, Japão, Nova Zelândia, Reino Unido, Tailândia, Turquia e Vietnã.

Atualmente, o Brasil é o terceiro maior produtor de milho do mundo, ficando atrás apenas da China (2ª posição) e dos Estados Unidos (1ª posição). Cerca de 10% da produção de milho no Brasil é destinada à produção de etanol, sendo realizada com o milho de segunda safra. Isso significa que ele é plantado na mesma área após a colheita da safra principal, dentro do mesmo ano agrícola, não exigindo terra adicional e reduzindo significativamente as emissões de gás carbônico. Segundo o governo brasileiro, o etanol de milho tem uma das menores pegadas de carbono entre todas as usinas de etanol do país (cerca de 17gCO2/MJ).

O Brasil está empenhado em promover a transição energética e contribuir para a sustentabilidade ambiental global. Além de ser líder mundial na produção de etanol de cana-de-açúcar, o país está explorando o potencial do etanol de milho, aproveitando suas vantagens e capacidade produtiva. Essa abordagem fortalece a posição do Brasil como protagonista na busca por soluções sustentáveis e destaca o país no cenário internacional.


Fonte: gov.br

Postar um comentário

0 Comentários